Advogada especialista em litígios petrolíferos defende Carlos São Vicente na Suíça

Spread the love

Clara Poglia, a advogada que representará Carlos São Vicente perante os tribunais suíços, já participou de diversos processos da indústria do petróleo, incluindo os decorrentes da grande operação anti-corrupção Lava Jacto no Brasil e das actividades da empresa Gunvor no Congo e na Costa do Marfim.

Segundo o site África Intelligence, apesar de tomar medidas legais, o empresário São Vicente, genro do 1° Presidente de Angola, António Agostinho Neto, não conseguiu impedir que o site suíço de notícias sobre crimes financeiros Gotham City publicasse no final de agosto que um tribunal suíço congelou 900 milhões de dólares em contas sob o seu nome na Suíça em dezembro de 2018.

Documentos de um tribunal de Genebra indicam que Vicente transferiu o dinheiro das contas da seguradora AAA Seguros , que dirigiu, para as suas contas privadas entre 2012 e 2019.

Nos termos de um decreto presidencial assinado em 2001 pelo então chefe de estado angolano José Eduardo dos Santos, A AAA Seguros – na qual a Sonangol detinha uma participação de 10% – detinha o monopólio dos serviços de seguros à indústria petrolífera.

Contactada pela Africa Intelligence , a advogada Clara Poglia explicou que São Vicente nega que qualquer dinheiro tenha sido desviado e afirma que sempre agiu de acordo com a lei.

De acordo com a fonte, Carla Poglia moveu céus e terras para evitar a publicação dos documentos relativos à actividade da ex-figura proeminente do regime de Dos Santos, cuja carreira tem sido objecto de debates acalorados muito além das fronteiras angolanas.

Com menos de 40 anos, Poglia, sócio do escritório de advocacia Schellenberg Wittmer da Suíça , já tem experiência em litígios na indústria de petróleo.

Entre outros, ela defendeu a empresa comercial de Genebra Gunvor em um caso que a levou a ser condenada a pagar US $ 100 milhões (CHF94 milhões) na Suíça em outubro de 2019 por ter fechado os olhos à corrupção de funcionários públicos na República do Congo entre 2008 e 2011.

Os pagamentos foram feitos para dar ao grupo acesso aos mercados de petróleo do país, de acordo com a procuradoria-geral da Suíça.

Poglia também esteve envolvida em um dos maiores testes da indústria do petróleo da década, ao assessorar as empresas brasileiras Odebrecht e Braskem (controladas pela Odebrecht) em julgamento na Suíça.

Junto com a Petrobras , as duas empresas foram visadas em 2015 pela grande operação anticorrupção Lava Jato que trouxe à tona uma vasta rede de corrupção na qual estavam envolvidos cidadãos suíços.

África Intelligence

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Social media & sharing icons powered by UltimatelySocial